Vídeo: Gorduras na dieta e risco cardíaco

 
 

Dr. André Luís Wambier

Formação e títulos
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2002
Residência em Clínica Médica - SUS/SP, 2003-2005
Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese/SP, 2005 - 2007
Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007
Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia
CRM- DF 17.276

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)

SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca


Vídeo: Chocolate é vilão ou mocinho?

 
 

Dr. André Luís Wambier

Formação e títulos
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2002
Residência em Clínica Médica - SUS/SP, 2003-2005
Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese/SP, 2005 - 2007
Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007
Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia
CRM- DF 17.276

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)

SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca

Vídeo: Beber café faz mal para a saúde do seu coração?

 
 

Dr. Lucas Cronemberger

Formação e títulos
Medicina: Universidade Federal do Piauí, 2007
Clínica Médica: Universidade Federal de São Paulo (Escola Paulista de Medicina), 2008-2010
Cardiologia: Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia - São Paulo, SP, 2010-2012
Título de Especialista em Cardiologia, pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2012
Medicina Nuclear: Hospital das Clinicas - Faculdade de Medicina da USP, 2012-2015
Título de Especialista em Medicina Nuclear, pela Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, 2015
CRM DF: 21.883

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)

SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca

Vídeo: O ovo faz bem ou faz mal à saúde?

 
 

Por muitos anos ouvimos dizer que deveríamos maneirar nos ovos, que eles formavam placas de gordura, que aumentavam risco de infarto e risco de derrame.

O que a ciência, hoje, diz sobre isso?

As evidências atuais não indicam que deveríamos banir o ovo da nossa dieta. A maioria dos estudos conclui que um ovo por dia não causa impacto negativo na saúde.

Os ovos são nutritivos e têm relativamente poucas calorias e pouca gordura saturada. Eles são ricos em proteínas, vitaminas (como a vitamina A, a vitamina D e as vitaminas do complexo B) e minerais, assim como em outros nutrientes, como a luteína (que protege os olhos) e a colina, que é boa para os nervos e o cérebro.

A maior preocupação sobre os ovos sempre foi a alta quantidade de colesterol, que vem especialmente da gema. De forma geral os cardiologistas limitam a quantidade de colesterol da dieta em 300 mg por dia, e um ovo já tem mais da metade disso.

Atualmente sabemos que a maior parte do colesterol circulante no nosso corpo é produzida pelo fígado (portanto, algo genético), e a outra parte vem de gorduras trans e saturadas da dieta. Por isso, se você não exagerar e se limitar o consumo de ovo a um por dia, não vai aumentar significativamente seu colesterol.

Há estudos que mostram que não há relação entre os ovos e o risco de infarto e há outros estudos que mostram que o ovo pode até reduzir o risco de um AVC hemorrágico, que é um tipo de derrame. Há um porém: o colesterol da dieta pode piorar o diabetes; nesses casos, de pacientes diabéticos, limita-se o consumo de ovos em até três por semana, ou recomenda-se comer somente a clara.

Se comermos um ovo no lugar de uma torrada branca - feita com trigo refinado ou um cereal açucarado, por exemplo, o ovo se provará mais saudável.

A mensagem que se quer  passar aqui é: não fique obcecado sobre um tipo de alimento, se ele é bom ou ruim, É preciso ver a sua dieta como um todo: os outros itens do prato e a relevância nutricional. O importante é termos uma dieta equilibrada, comer mais frutas e verduras, e variar os alimentos que ingerimos.


Dr. André Luís Wambier

Formação e títulos
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2002
Residência em Clínica Médica - SUS/SP, 2003-2005
Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese/SP, 2005 - 2007
Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007
Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia
CRM- DF 17.276

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)

SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca

Podcast: Ovo faz mal para o coração?

 
ovo-saude-do-coracao-cardiologia-brasilia
 

Por muitos anos ouvimos dizer que deveríamos maneirar nos ovos, que eles formavam placas de gordura, que aumentavam risco de infarto e risco de derrame. O que a ciência, hoje, diz sobre isso? As evidências atuais não indicam que deveríamos banir o ovo da nossa dieta. A maioria dos estudos conclui que um ovo por dia não causa um impacto negativo na saúde. Os ovos são nutritivos.

A maior preocupação sobre os ovos sempre foi a alta quantidade de colesterol, que vem especialmente da gema. De forma geral, os cardiologistas limitam a quantidade de colesterol da dieta em 300mg por dia, e um ovo já tem mais da metade disso.

Atualmente sabemos que a maior parte do colesterol circulante no nosso corpo é produzida pelo fígado (portanto, um componente genético) e a outra parte vem de gorduras trans e saturadas da dieta. Por isso, se você não exagerar e se se limitar a um ovo por dia, não vai aumentar significativamente o seu colesterol por causa do ovo.

Saiba mais sobre o assunto neste podcast do Dr. André Wambier, cardiologista.

Dr. André Luís Wambier

Formação e títulos
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2002
Residência em Clínica Médica - SUS/SP, 2003-2005
Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese/SP, 2005 - 2007
Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007
Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia
CRM- DF 17.276

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)
SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca

Podcast: Dieta DASH - A melhor dieta do mundo em 2016

 
 Entre os alimentos que integram a dieta DASH estão frutas frescas, peixes e castanhas

Entre os alimentos que integram a dieta DASH estão frutas frescas, peixes e castanhas

 

O Dr. André Wambier, cardiologista, explica neste podcast o que é a dieta DASH e quais são os benefícios que ela proporciona.

A pedido de uma revista americana, médicos e nutricionistas de renomadas instituições, como Harvard, Johns Hopkins e Universidade de Nova York, avaliaram quais as melhores dietas. De um conjunto de 38 dietas avaliadas, a grande vencedora de 2016, pelo sexto ano consecutivo, foi a dieta DASH - uma sigla que traduzida para o português significa a “dieta para combater a hipertensão”. A DASH é uma dieta saudável, fácil de ser seguida e eficaz na perda de peso e na prevenção de doenças cardiovasculares e do diabetes.

É um padrão de dieta que enfatiza alta ingestão de frutas (em especial frutas frescas, não sucos ou frutas secas), vegetais (sobretudo folhas verdes e raízes), alimentos integrais (como cereais, pães e arroz ou macarrão integral), peixes gordurosos (ricos em ômega 3) e alto consumo de laticínios desnatados, castanhas e óleos vegetais (tipo azeite de oliva). Ela também é pobre em carne vermelha (quando consumida, esta deve ser magra) e em refrigerantes e sucos açucarados. É uma dieta rica em potássio, magnésio e cálcio, proteína e fibra. Ouça o podcast e saiba mais sobre o assunto.

Dr. André Luís Wambier

Formação e títulos
Formado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2002
Residência em Clínica Médica - SUS/SP, 2003-2005
Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese/SP, 2005 - 2007
Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007
Sócio efetivo da Sociedade Brasileira de Cardiologia
CRM- DF 17.276

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)
SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)

Centro Brasileiro Cardiovascular (CBCor)
SGAS 915, Lote 69 A, Salas 107-117,
Edifício Advance, Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca

Podcast: Dicas para emagrecer

 
Dicas para perder peso
 

A perda de peso é fundamental para o controle de doenças como a hipertensão e o diabetes. Ela também aumenta a autoestima e a disposição para a atividade física. Neste podcast, o Dr. Henrique Branisso, cardiologista, lista uma série de dicas sobre o tema.

Dr. Henrique Branisso

Formação e títulos
Medicina: Universidade de Brasília – UnB, 2002 a 2007 / Brasília - DF
Clínica Médica: Hospital do Servidor Estadual - IAMSPE, 2008 a 2010 / São Paulo - SP
Trabalhou com os Médicos sem Fronteira - 2010 / Moçambique
Cardiologia: Instituto do Coração – Incor - USP, 2012 a 2014 / São Paulo - SP
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2014
CRM-DF: 15776

Onde atende
Hospital do Coração do Brasil (HCBr)

SHLS 716, Conjunto G, Lote 6.
Asa Sul, Brasília (Mapa)


Busca